Flexitarianismo e vegetarianismo, você sabe a diferença?

Nem vegetarianos nem onívoros convictos, os flexitarianos estão descobrindo o próprio equilíbrio.

Flexitarianos. Você já deve ter ouvido falar neles, mas afinal: o que comem, onde moram, como vivem?
Brincadeiras à parte, esse grupo tem aumentado bastante em todo o mundo e, apesar do nome estranho, a dieta flexitariana tem um princípio bastante simples.

Enquanto vegetarianos eliminam completamente a ingestão de carne (no caso dos vegetarianos estritos, isso inclui qualquer produto de origem animal, como leite e ovos), flexitarianos adotam uma dieta composta majoritariamente por alimentos de origem vegetal, mas ainda consomem carne eventualmente. Essa frequência não é rígida: há quem inclua carne em uma das refeições diárias, quem consuma somente uma vez por semana, e por aí afora.

Razões para ser um flexitariano.

A redução do consumo de carne pode ter várias motivações. Algumas pessoas simplesmente não gostam do sabor, outras querem se tornar vegetarianas e fazem isso como forma de transição. Muitos flexitarianos, no entanto, buscam benefícios para a saúde ou querem reduzir os impactos ambientais de seus hábitos alimentares.

Seu prato tem impacto.

Cada vez mais as pessoas se conscientizam do impacto que suas escolhas de consumo têm para o planeta, e isso vale para a comida também. Relatório divulgado recentemente pela World Resources Institute em parceria com Banco Mundial, ONU Meio Ambiente e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) traça um vasto panorama dos problemas que enfrentaremos para alimentar uma população global que deverá chegar perto de 10 bilhões de pessoas em 2050, mas também aponta soluções.

Entre as medidas sugeridas para assegurar a sustentabilidade alimentar do planeta estão drástica redução do consumo de carne e incentivo a uma agricultura mais diversa e nutritiva.

Antes de retirar, incluir.

Se para os onívoros a dieta flexitariana parece restritiva, um olhar atento revela que se trata muito mais de incluir do que retirar itens do prato. Ao inserir uma gama maior de vegetais e frutas em todas as refeições, é possível redescobrir a variedade alimentar que andava oculta pelo alto consumo de carne como “estrela” do cardápio semanal.

Do ponto de vista nutricional, hoje se sabe que é perfeitamente possível manter uma dieta saudável e balanceada sem o consumo de carne. O auxílio de um profissional nutricionista é sempre importante para fazer esses ajustes de forma adequada para cada necessidade, mas a inclusão de leguminosas (como grão de bico, ervilha, feijões), vegetais de folhagem escura e oleaginosas (como castanha-de-caju e nozes) estão entre as principais recomendações dos especialistas.

Muitos desses alimentos além de serem consumidos in natura também são base para a criação de produtos que incluem hambúrgueres, snacks e outras delícias. Ou seja, nada de monotonia nesse cardápio!

Fontes: https://www.bbcgoodfood.com/howto/guide/what-flexitarian-diet

https://www.bbc.com/portuguese/geral-45835405

https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/saiba-quem-sao-os-flexitarianos-24234620



Comente